(44) 99919-8180
(44) 3029-5025

BLOG

As melhores práticas para uma boa estrutura organizacional

Estrutura-organizacional

A desorganização pode comprometer qualquer tipo de processo e não é diferente ao se tratar da gestão de corporações. É neste cenário que conceitos como o de estrutura organizacional são explorados em prol de um organograma que seja funcional, especialmente que favoreça o desempenho de todos na empresa. Dessa forma, engloba desde a divisão de tarefas até os níveis hierárquicos.

Como escolher a estrutura organizacional?

Por ter grande impacto na empresa como um todo, é necessário que o tipo de estrutura organizacional seja escolhido com cautela, seja em uma fábrica de embalagens de papelão ou em empresas de usinagem, afinal esse é o primeiro passo para alcançar resultados satisfatórios na implementação..

 

É um dos primeiros passos que deve ser tomado na empresa, pois contribui com uma visão objetiva e clara de atuação. As estruturas podem ser horizontal ou vertical. No primeiro caso, o ambiente empresarial é colaborativo, as funções raramente são repetitivas e a ideia de integração é mais priorizada.

 

Nas corporações verticais, o principal atributo é a separação da diretoria, que tem o poder centralizado. A estrutura é mais tradicional, com treinamentos, trabalhos previsíveis e com procedimentos mais rígidos que  devem ser atendidos. Além dessa divisão entre as estruturas, diferentes modelos podem ser encontrados, tais como:

 

  • Divisional;
  • Matricial;
  • Projetista;
  • Funcional.

 

O modelo divisional é amplamente recomendado para corporações que lidam com mercados distintos e consequentemente, possuem uma carteira diversa de clientes. Isso se deve ao fato de que é caracterizado por áreas distintas e que são autossuficientes. Dessa forma, cada divisão é encarregada por determinado serviço ou produto de acordo com o organograma da empresa.

 

De acordo com o que será abordado, na matricial, estão inseridas partes da estrutura funcional, onde existe um chefe de departamento e da divisional, em referência ao chefe de projeto. A correlação entre os departamentos é o ponto de destaque desse formato, sendo sugerido para servir características de especialização e coordenação, enquanto possibilita um contexto colaborativo entre todos os graus da hierarquia.

 

A projetista e a funcional são os principais modelos, ao abordar a forma projetista, é interessante citar que é amplamente empregada por profissionais que atuam com projetos periódicos, que necessitam solucionar questões de clientes do ínicio ao fim. De um modo geral, são comuns em áreas flexíveis.

 

Por fim, a alternativa funcional condiz com um tipo de empresa que têm uma separação tradicional das áreas, como a de recursos humanos, equipe de vendas, comercial e financeiro. É um sistema muito comum em corporações com notoriedade em atividades repetitivas, que é o caso de setores altamente especializados.

Dicas para melhorar a estrutura organizacional

 

É interessante valorizar a comunicação interna em qualquer tipo de organograma que seja empregado na empresa,  independente do número de colaboradores. Afinal, a transmissão e captação de mensagens deve ser clara para evitar grandes transtornos. Trata-se de um cuidado que deve ser redobrado em cadeias longas de comunicação.

 

Melhorias podem ser realizadas de diversas maneiras, por exemplo, o serviço de consultoria em processos industriais pode ser solicitado para contribuir com o desempenho de empreendimentos da área. Da mesma forma que corporações que atuam com construção civil podem buscar o suporte de profissionais que lidam com planejamento e gestão de obras

 

Sem dúvidas, qualquer tipo de ação que envolva a gestão empresarial deve ser tomada com cuidado, uma vez que qualquer falha pode ter resultados severos, inclusive prejuízos. Para aprimorar a estrutura, é primordial organizar com cautela a demanda de atividades, assim como as contratações e demissões, o que evita o desequilíbrio.

 

Além disso, é necessária extrema cautela na gestão financeira ao avaliar a estrutura organizacional, pois é essencial assegurar a estabilidade nos recursos empregados para produção. Afinal, reduzir custos, embora seja importante para as empresas, não é o único fator a ser avaliado, pois a falta de planejamento pode dificultar uma produção de qualidade e até mesmo o bem estar dos funcionários.

 

Conforme abordado ao longo do texto, há diferentes modelos que podem ser empregados neste cenário e imprescindível atender as especificações de cada empresa. Com uma estrutura organizacional adequada e investimentos contínuos em melhorias, será possível controlar os níveis de demanda de forma mais eficaz, assim como estabelecer bons planos de carreira, contratações, líderes e consequentemente, a produtividade da empresa como um todo.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

WhatsApp chat